sexta-feira, agosto 31, 2007



"Para se ser feliz até um certo ponto é preciso ter-se sofrido até esse mesmo ponto..."


Edgar Allan Poe



"Há-de se viver sofrendo e de dor crescendo... e de se ser feliz ao fim do sofrer."




foto daqui

quarta-feira, agosto 29, 2007

"Pensar enlouquece"...??


começo a acreditar que sim, que se pensarmos demais, perdemos a noção da normalidade e afastamo-nos dos outros ( da maioria*) e praticamente ninguém nos entende. Não ser entendido por uma maioria já cairá, eventualmente , no conceito de loucura. :)))



* esta maioria que constitui a norma e aquilo que se aceita como normalidade vive abaixo de determinados níveis de leitura, raciocínio, reflexão e concede uma fracção ínfima do seu tempo ao pensamento. Esses não enlouquecem certamente!



imagem daqui

terça-feira, agosto 28, 2007

sábado, agosto 25, 2007


Esperando...


por uma viagem
por um passageiro
por passageiros
por um destino


entretanto...

flutua
calmamente


não se preocupa se vai a algum lado ou
se tranportará alguém


permanece,
balouça
e sorri à ondulação


as gaivotas poisam indiferentes
mas, ele agradece a preferência


dança suavemente
ao sabor da maré



foto:futiLE




Descansas...?
Que pensas?
Como pensas?
Como passas os teus dias?
Esperando...esperando...
E... como te aguentas ...?

Esta foto fez-me lembrar um burro que em tempos vi durante uns dias passados em S.Jacinto. O burro pastava todos os dias no mesmo campo, parecia que ocupava o mesmo lugar... cabisbaixo, ensimesmado... um burro pensativo e triste, com poucos afazeres e sem burra. Lembro-me dele muitas vezes... e tenho pena de não o ter conseguido fotografar.

Os burros têm um ar pensativo e introspectivo. Assim os vejo.

foto: Pedro Martins
A elegância do Cavalo

Em homenagem ao meu amigo CA e a uma brincadeira que não é mais do que uma private joke que já me tem feito rir a bom rir. Obrigada CA pelo teu humor.

;)

foto de Diduplus (www.olhares.com)

quinta-feira, agosto 23, 2007

O Estado da Alma

Vaga, no azul amplo solta,
Vai uma nuvem errando.
O meu passado não volta.
Não é o que estou chorando.

O que choro é diferente.
Entra mais na alma da alma.
Mas como, no céu sem gente,
A nuvem flutua calma.

E isto lembra uma tristeza
E a lembrança é que entristece,
Dou à saudade a riqueza
De emoção que a hora tece.

Mas, em verdade, o que chora
Na minha amarga ansiedade
Mais alto que a nuvem mora,
Está para além da saudade.

Não sei o que é nem consinto
À alma que o saiba bem.
Visto da dor com que minto
Dor que a minha alma tem.

Fernando Pessoa, 29-3-1931

terça-feira, agosto 21, 2007

Reflexões sobre um erro

... é um erro
um erro enorme...
termos a nossa razão de viver assente unicamente nas pessoas ( e... apesar de reconhecer o erro, não consigo conceber outra forma de sentir a vida e de a viver), mesmo que nos sejam queridas, mesmo que as amemos desmedida e incomensuravelmente.
Um dia...
poderão partir,
poderão deixar-nos e,
muito provavelmente,
fá-lo-ão,
de uma forma ou de outra, mais ou menos violenta. ( mas eu nunca tinha pensado nisso...).
Quando isso acontece...
desmoronamos
ficamos sem chão
sem eixo
sem caminho
e a vida perde o sentido...

... inevitavelmente (percebo agora)
aconteceu-me
RAZÃO DE VIVER... (????)





link


sábado, agosto 18, 2007

PARA que tú me oigas
mis palabras
se adelgazan a veces
como las huellas de las gaviotas en las playas.

Collar, cascabel ebrio
para tus manos suaves como las uvas.

Y las miro lejanas mis palabras.
Más que mías son tuyas.
Van trepando en mi viejo dolor como las yedras.

Ellas trepan así por las paredes húmedas.
Eres tú la culpable de este juego sangriento.

Ellas están huyendo de mi guarida oscura.
Todo lo llenas tú, todo lo llenas.

Antes que tú poblaron la soledad que ocupas,
y están acostumbradas más que tú a mi tristeza.

Ahora quiero que digan lo que quiero decirte
para que tú las oigas como quiero que me oigas.

El viento de la angustia aún las suele arrastrar.
Huracanes de sueños aún a veces las tumban.
Escuchas otras voces en mi voz dolorida.
Llanto de viejas bocas, sangre de viejas súplicas.
Ámame, compañera. No me abandones. Sígueme.
Sígueme, compañera, en esa ola de angustia.

Pero se van tiñendo con tu amor mis palabras.
Todo lo ocupas tú, todo lo ocupas.

Voy haciendo de todas un collar infinito
para tus blancas manos, suaves como las uvas.

Pablo Neruda

>> Escuche a Neruda recitar el Poema 5.

Obrigada




imagem:Crystal of water that have been exposed to the words "Thank you" ... daqui

Quando a distância se impõe,

Quando a ausência se sente,

Quando a saudade aperta,

Quando o desejo nos impele,

Quando o corpo chama...

Quando o coração estremece,

Quando a alma se inquieta

Percebemos... tanto...





imagem: Crystal of water that have been exposed to the words "Love / Appreciation" ...daqui

quinta-feira, agosto 16, 2007

" Os males de que foges estão em ti"

Séneca


... pois...
até acredito, mas o que fazer?!
não fugir?!
Curá-los? Mas... e como?

quarta-feira, agosto 15, 2007







"Y confundiste tanto amor que te entregaba,

Con un permiso para así romperme el alma."






...da letra da música Qué hiciste? cantada por Jennifer Lopez



Imagem: capa do CD "Music from Brazil, Venezuela & Argentina N. Kolosko & C. Dimow"
Gosto muito de gaivotas....


...esta, olhava para mim, enquanto a guardava comigo para sempre.

Fim de semana no Minho
(a foto-reportagem prometida)

Pôr do sol em Caminha


à noite

Praia de Moledo



Gaivotas na doca em Vila Praia de Âncora



Praia de Carreço ( Viana do Castelo)



Forte do Cão ( Praia da Gelfa)



Forte de Paçô-Carreço-Viana


Noutra oportunidade mostrarei imagens de Viana e fotos com pormenores também interessantes...





"Do rio que tudo arrasta, se diz que é violento, mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem"
Bretch

quarta-feira, agosto 08, 2007





“ O medo de sofrer é pior do que o próprio sofrimento e nenhum coração jamais sofreu quando foi em busca do seu Sonho. "
Tenho umas fotos do fim de semana passado no Minho para vos mostrar.
Falta-me a vontade de me dedicar.
Fica a promessa de uma foto-reportagem
:)

quarta-feira, agosto 01, 2007


Resiliência




termo do léxico da Física

os materiais apresentam uma resiliência específica

e nós também, concerteza

será variável de indivíduo para indivíduo

conheceremos a nossa resiliência?

se a conhecemos não é bom sinal

é mostra que estivemos à prova

postos a provas duras e raras

... ainda não conheço a minha

...mas...

ando a testá-la demais

quando a conhecer ...

não vos poderei contar...

My Sun ...
My Light ...

Resultado de algumas experiências fotográficas. Esta é a imagem de um interruptor de elevador iluminado, sem qualquer manipulação de imagem.

Cristal: não parece, mas é!



bolha de cristal